Álbum dos Jogos Sul-Americanos: Erivan Rocha

O Wrestling brasileiro compete de 12 a 14 de outubro os Jogos Sul-Americanos, em Assunção, capital do Paraguai . A partir desta quarta-feira você vai conhecer um pouco mais de cada um dos 14 atletas que vão fazer parte do “Álbum dos Jogos Sul-Americanos 2022”. O primeiro deles é Erivan Rocha, atleta do estilo greco-romano 60kg e que luta no dia 12 de outubro.

O lutador é natural da pequena cidade de Montanha, interior do Espírito Santo. O contato inicial com a atividade física foi a capoeira, mas faltava a competitividade do esporte. A oportunidade veio através de um projeto capitaneado pelo professor Bruno de Paula, chamado Campeões de Futuro, em 2009. O novo esporte, Wrestling, mudaria a vida do menino que se dividia entre ajudar os pais na colheita da roça e a escola de terra batida.

“Gostava de esporte de combate, mas minha cidade era pequena e não tínhamos contato com esporte de competição. Um dia estava na escola e o professor Bruno comentou de um projeto que ele queria fazer na cidade. O projeto começou com 88 crianças e dessas crianças saíram cinco atletas que começaram a competir nacionalmente. E desde então estou na modalidade”, explicou Erivan.

Em 2013, Erivan venceu uma seletiva e pôde competir nos Jogos Australianos. Foi a primeira viagem internacional do lutador. No mesmo ano, o atleta foi convidado para participar de um projeto para constituir uma equipe para os Jogos Olímpicos da Juventude promovido pela CBW. A ação fez com que Erivan trocasse a cidade de pouco mais 20 mil habitantes pelo Rio de Janeiro-RJ. O grequista passou a morar no Centro de Educação Física Adalberto Nunes (CEFAN), da Marinha, na Penha. A rotina militar fez com que o tímido lutador de 15 anos amadurecesse rapidamente. Seis anos depois, o menino retraído se tornou 3º Sargento e se tornou o primeiro militar da família.

“No início era bastante caladão, por morar no ambiente militar tive que aprender a perder a timidez e dizer o que precisava. Sempre respeitei as pessoas, mas passei a ter disciplina dentro do quartel. Como saí de uma cidade pequena e sem parentes no Rio, o CEFAN e os companheiros de treino viraram minha família. Fiz uma amizade muito grande com atletas de outro esporte que comemoram muito a minha classificação para os Jogos”, explicou o lutador.

Quase desistência vira combustível para seguir

Os amigos foram importantes em vários momentos da carreira de Erivan. O lutador é da mesma geração vencedora de Calebe Corrêa, Joilson Júnior e Kenedy Pedrosa. Os dois últimos também estarão na delegação para os Jogos Sul-Americanos de Assunção. Por pouco, Erivan não se despediu da vida esportiva. E um dos companheiros foi fundamental para evitar um fim precoce da carreira.

“Treinava todo dia com os meus companheiros e estava ganhando tudo na categoria júnior. Quando lutei o primeiro torneio sênior e não venci bateu o desânimo, pois o resultado não veio. Não tinha ânimo  para levantar da cama e ir treinar. Foi aí que o Calebe entrou e disse, você não saiu da cidade à toa, Deus tem um propósito para você. Decidi permanecer, seguir e agora na Copa Brasil o resultado veio”, contou Erivan.

A Copa Brasil Interclubes disputada em Brasília foi seletiva para os Jogos Sul-Americanos de Assunção. Como o campeão brasileiro Marat Garipov não se inscreveu no torneio, Erivan precisava vencer a categoria para garantir vaga nos Jogos Sul-Americanos.

“O treinador Angel falou: você treina com os melhores atletas do Brasil, mais pesados e está preparado. Entrei com essa cabeça no torneio de que tudo daria certo e deu. Quando ganhei o torneio foi uma alegria só. Saber que ganharia minha primeira mala do Time Brasil com meu nome e que iria viajar com a delegação pela primeira vez. Só tenho a agradecer ao treinador e a todos que acreditaram em mim esse tempo todo. Se fosse colocar os nomes encheria um caderno inteiro” frisou Erivan.

A estreia em uma competição de Jogos, ou seja, torneios que acontecem de quatro em quatro e reúnem os melhores atletas da modalidade. Depois de anos de dedicação, Erivan vai enfim competir ao lado dos companheiros de dia a dia e com a malha do Brasil.

“Espero uma ótima competição de todos os esportes no Paraguai. A equipe do Wrestling está bem treinada e espero honrar nossa pátria e quero colocar a bandeira no Brasil no pódio. Se for da vontade de Deus e vir o ouro ótimo, vou fazer de tudo para isso. Deixo um recado para quem está há muito tempo na modalidade e pensa ou já pensou em algum momento em deixar o esporte. Desistir só se for para pegar impulso novamente para continuar”, encerrou Erivan.

O lutador compete na categoria 60kg do estilo greco-romano no dia 12 de outubro, primeiro dia do Wrestling nos Jogos Sul-Americanos de Assunção.  

Redes Sociais

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades: