Mestre Leitão lança livro e afirma “Meu verdadeiro prazer é ensinar”

Mestre, segundo o dicionário: professor de grande saber e perito ou versado em qualquer ciência ou arte. Não por acaso Roberto Leitão é conhecido no mundo das lutas como Mestre Leitão. Depois de oito anos de preparação, Mestre Leitão lança oficialmente nesta segunda-feira (29/05), na sede Confederação Brasileira de Wrestling, o livro “Biomecânica da Luta”. Das 17h às 21h, quem comparecer a Rua Bom Pastor, 106, vai poder receber uma dedicatória especial em uma das 464 páginas do livro. O cuidado na hora de passar os ensinamentos foi tanto, que Mestre Leitão resolver fazer dentro do livro um plano de leitura. Tudo para que sua legião de pupilos e amantes da luta consigam absorver de maneira mais prática seus ensinamentos.

“Meu objetivo é mostrar que a luta pode e deve ser feita de maneira inteligente. Mesmo para os amantes de lutas não é livro de poucas páginas e fiz questão de colocar um plano de leitura para que o leitor não sinta dificuldade em um assunto que não está tão familiarizado. O livro traz muita coisa da chamada luta agarrada, também conhecida como grappling e da luta livre esportiva. E outros conceitos simples, como por exemplo “se não conheço, não deixo” e por aí vai”, explicou Mestre Leitão.

Natural de Lages, Santa Catarina, Mestre Leitão é formado em engenharia e foi professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Antes disso o judô já havia entrado na vida do mestre, aos 16 anos, depois vieram luta livre esportiva e o wrestling. Em 1979, Mestre Leitão criou a primeira federação de Wrestling no país reconhecida pela Federação Internacional de Lutas Associadas (FILA), atualmente United World Wrestling. Apenas 9 anos depois, o Brasil tinha seus primeiros representantes nos Jogos, Floriano Spiess e Roberto Leitão Filho, filho do Mestre, que também lutaria na edição dos Jogos de Barcelona, em 1992.

“Vi que estávamos atrasados em relação aos outros países. Lembro como se fosse hoje,entrei em contato com a FILA e criamos a Federação. Como o Beto (Roberto Leitão Filho) já tinha aptidão no judô, a transição para o wrestling foi mais fácil. Em 1987, Beto ganhou a prata nos Jogos Pan-americanos de Indianápolis e ficou à frente de países tradicionais como Estados Unidos. Em 1988, entre todos os atletas da delegação que foi para os Jogos Olímpicos de Seul, ele foi escolhido como melhor preparo físico entre todos os esportes e o chamaram de Super-Homem. Por um tempo, o pessoal ficou me chamando de Jor-el, que nos quadrinhos é o pai do Super-Homem (risos)”, relembrou o Mestre, que faz questão de estar presente me todas as competições de wrestling até hoje.

O legado do Mestre segue com o filho também fora dos tapetes. Hoje, Roberto Leitão Filho é Superintendente da Confederação Brasileira de Wrestling e contribui diretamente para o avanço da modalidade. Mas Mestre Leitão está longe de abandonar os tatames. Ele segue disseminado experiência pelo país e pelo mundo, Estados Unidos e Peru estão na lista dos países que recorrem ao Mestre para dar palestras e seminários. E mesmo aos 80 anos, o Mestre segue batendo ponto na Academia Upper, no Flamengo, Zona Sul do Rio de Janeiro. Sempre disposto a um “rolinha” com adversários das mais variadas idades e que se veem presos nas chaves do senhor. Roberto Leitão revela o segredo da longevidade.

“Sempre me perguntam isso: Mestre como o senhor faz para treinar até hoje?. O segredo é muito simples: nunca parar. Luta não é só força, tem que ser inteligente para lutar. O meu verdadeiro prazer é ensinar e espero que os conceitos que trazemos no livro ajudem todos os amantes da luta e cada um possa tirar um pouco de aprendizagem com ele”, concluiu Mestre Leitão.

Lançamento oficial do livro e noite de autógrafos: Biomecânica da Luta, autor Mestre Roberto Leitão, editora Albatroz
Dia: 29/5/2017
Local: Sede da Confederação Brasileira de Wrestling, Rua Bom Pastor, 106, Tijuca.
Horário: 17h às 21h

Redes Sociais

  • Aline Silva do de malha com identificao azul JogosSulamericanos2018 TimeBrasil
  • O Wrestling Feminino faturou 4 medalhas! Giullia Penalber foi a
  • Segundo Lugar por Equipes Wrestling Feminino WrestlingFeminino JogosSulamericanos2018 TimeBrasil BrasilWrestling
  • A Confederao Brasileira de Wrestling ao lado das demais Confederaes
  • Os principais atletas de 18 a 20 anos das Amricas
  • Joilson conquista tricampeonato e Brasil ganha quatro medalhas no primeiro

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades: